(11) 97569-1877

Remoção do câncer de pele

O que é o câncer de pele?

O câncer de pele é o crescimento descontrolado de células cutâneas anormais. É o mais comum de todos os cânceres. Existem três tipos principais de câncer de pele:

– Carcinoma basocelular
– Carcinoma de células escamosas
– Melanoma

Existem outros tipos de tumores na pele?

Sim, pintas e queratoses.

– Pintas
são aglomerados de células da pele fortemente pigmentadas, planas ou elevadas acima da superfície da pele. Enquanto a maioria não apresenta perigo, algumas to particularmente grandes presentes ao nascimento, ou aquelas com cores manchadas e bordas mal definidas, podem evoluir para câncer (melanoma maligno). As pintas são frequentemente removidas por razões cosméticas ou porque são constantemente irritadas por roupas ou jóias (que às vezes podem causar alterações pré-cancerígenas).

– Queratoses solares ou actínicas
são ásperas, vermelhas ou marrons, manchas escamosas na pele. Eles geralmente são encontrados em áreas expostas ao sol e às vezes se desenvolvem em câncer de células escamosas.

Como é feito o diagnóstico do câncer de pele?

Se eu suspeitar durante o exame físico que você tenha um câncer de pele solicitarei uma biópsia para o diagnóstico. Este é um procedimento rápido e simples, geralmente realizado sob anestesia local. Esta lesão retirada irá para um laboratório de patologia para exame sob um microscópio. Quando feito o diagnostico o câncer de pele é removido cirurgicamente.

Como é a cirurgia de retirada do câncer de pele?

O câncer de pele precisa ser tratado imediatamente, pois o perigo do câncer de pele é que ele pode se espalhar (metástase) para outras partes do corpo se o tratamento não for realizado.
Se o câncer é pequeno, o procedimento pode ser feito de maneira rápida e fácil. O procedimento pode ser uma excisão simples, que geralmente deixa uma cicatriz fina e pouco visível. Se o exame mostrar que todas as células cancerígenas provavelmente foram removidas, talvez você não precise de tratamento adicional.
Sempre removerei toda a lesão e enviarei a um laboratório para que um patologista examiná-lo sob um microscópio. Dependendo do relatório do patologista, uma excisão mais ampla (ou seja, aprofundar a pele) pode ser recomendada.

Nesse caso, um enxerto de pele ou um retalho de pele podem ser necessários para reparar uma grande área da pele.

Quem tem mais chance de desenvolver câncer de pele?

O câncer de pele geralmente ocorre em pessoas que foram expostas a muita luz ultravioleta (UV) do sol.
Pessoas na categoria de maior risco de desenvolver câncer de pele geralmente têm:
– Pele clara e sardas facilmente
– Olhos e cabelos claros
– Um grande número de pintas, ou pintas de tamanho ou forma incomum
– História familiar de câncer de pele ou história pessoal de queimaduras solares
– Passou muito tempo trabalhando ou brincando ao ar livre
– Exposição solar intensa durante todo o ano. Isso inclui pessoas que moram mais perto do equador, a uma altitude mais alta ou em qualquer lugar que receba sol intenso

Posso ter cicatrizes?

Embora nenhuma cirurgia seja sem cicatrizes farei todos os esforços para tratar o câncer de pele sem alterar drasticamente a aparência.
A reconstrução fecha o defeito do câncer de pele, mas nenhuma reconstrução é perfeita. Cicatrizes visíveis sempre permanecerão nos locais de incisão. Você também pode ver diferenças de textura, cor ou outras visíveis da pele nas áreas reconstruídas. Embora sejam feitos todos os esforços para restaurar sua aparência o mais próximo possível e naturalmente, o fator mais importante é que o câncer de pele seja removido com eficácia.

Quais são os riscos da remoção do câncer de pele?

Esses riscos e outros serão discutidos completamente antes do seu consentimento. Lembre-se que a escolha do medico é fundamental para diminuição dos riscos cirúrgicos. portanto é fundamentar escolher um cirurgião plástico que tenha treinamento especifico e seja membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Fiz especialização com o grupo de Microcirurgia Reconstrutiva da Cirurgia Plástica do HC (reconhecido como o mais importante grupo em nosso país). Sou membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Os riscos incluem:
– Alergias a fitas, materiais e colas de sutura, produtos derivados de sangue, preparações tópicas ou agentes injetados
– Riscos anestésicos
– Sangramento excessivo
– Mudança na sensação da pele
– Danos a estruturas mais profundas – como nervos, vasos sanguíneos e músculos podem ocorrer e podem ser temporários ou permanentes
– Infecção
– Má cicatrização de incisões
– Possibilidade de cirurgia de revisão

O que devo esperar durante a minha recuperação após a remoção do câncer de pele?

Durante a recuperação da cirurgia de remoção do câncer de pele, os locais de incisão podem ficar doloridos, vermelhos ou drenar pequenas quantidades de líquido.
É importante seguir todas as instruções de tratamento de feridas, como limpeza e aplicação de medicamentos tópicos exatamente como indicado

O que deve fazer no pós operatório?

Certifique-se de manter seus locais de incisão limpos e bem protegidos de possíveis lesões.
Tente limitar o movimento que pode estressar sua ferida e suas suturas É importante que as incisões cirúrgicas não sejam sujeitas a força excessiva, inchaço, abrasão ou movimento durante o tempo de cicatrização.

Que resultados devo esperar após a remoção do câncer de pele?

Que toda a lesão possa ser retirada com margem de segurança e que possamos realizar todos os tratamentos complementares quando necessário. A consulta com um oncologista pode ser necessário para complementação do tratamento.

O que saber antes de se submeter à cirurgia de remoção do câncer de pele?

Pare de fumar e pare de tomar certos medicamentos, como anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), aspirina e medicamentos que contêm aspirina. Você também pode ser solicitado a parar de tomar substâncias naturopáticas, como alho, ginkgo, ginseng e erva de São João, pois podem afetar a coagulação e a anestesia. Sempre diga ao seu cirurgião tudo que estiver tomando.
Você pode receber medicamentos para tomar antes da cirurgia, como antibióticos. O seu cirurgião também irá aconselhá-lo se forem necessários outros testes, como exames de sangue, exames de radiografia, um eletrocardiógrafo (ECG) para avaliar seu coração etc.
Prepare uma “área de recuperação” em sua casa. Isso pode incluir travesseiros, um termômetro e um telefone de fácil acesso. Certifique-se de organizar um parente ou amigo para levá-lo de e para o hospital ou clínica. Alguém também deve ficar com você por pelo menos 24 horas depois que você voltar para casa. 

Quanto tempo ficarei internado?

Dependendo da extensão do procedimento, você poderá voltar para casa no mesmo dia. Em casos mais complexos, você pode ter que passar a noite no hospital ou por alguns dias.

Como será o pós operatório imediato?

No caso de procedimentos menores, você pode sentir alguma dor e um leve desconforto. Se um câncer de pele grande tiver sido removido ou um enxerto de pele realizado, desconforto e dor podem ser significativos. O alívio da dor pode ser necessário por vários dias; seu cirurgião plástico especialista prescreverá analgésicos ou sedativos, se necessário.
É normal sentir hematomas e inchaço. Isso geralmente se acalma na semana após a cirurgia. Elevar a área afetada ajudará a reduzir o inchaço.

O que notificar imediatamente o seu cirurgião plástico?

Temperatura superior a 38ºC ou calafrios
Náusea, vômito, falta de ar ou diarréia
Sangramento intenso das incisões
Vazamento de sangue ou líquido além do primeiro dia após a cirurgia
Agravamento e / ou disseminação da vermelhidão nos locais da incisão
Aumento da dor ou sensibilidade nas mamas
Quaisquer outras preocupações ou problemas relacionados à sua cirurgia que lhe chamem atenção

Pode ser que precise de mais cirurgia para remover o câncer de pele?

Habitualmente não é comum para carcinoma basocelular e espinocelular. Os melanomas frequentemente necessitam de algum tipo de complementação.

Quanto custa a cirurgia plástica de remoção do câncer de pele?

É PROIBIDO pelo Conselho Federal de Medicina (através da resolução 1.836/2008) divulgar informações sobre preços e custos de tratamentos sem avaliação prévia para evitar que os pacientes sejam vítimas de cirurgiões e clínicas que atuam de maneira anti-ética, que vendem tratamentos antes mesmo de saber se as pessoas que os procuram terão benefícios com eles ou se é o melhor para elas.
Outro motivo importante é que dependendo de cada paciente, procedimentos semelhantes podem ter custos diferentes.
Isso inclui necessidade de tratamentos adicionais ou complementares para ter um bom resultado.
Todos esses fatores influenciam no valor final de um procedimento.